Autor Tópico: Quota de música portuguesa na rádio  (Lida 6283 vezes)

Hélder Fialho

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 41
Re: Quota de música portuguesa na rádio
« Responder #30 em: Maio 04, 2021, 01:31:32 am »

Nao percebo a indignação.

Se querem estar legais, tem que cumprir a lei!


Ainda lhe digo mais. Aliás, não sou eu que vou dizer. É a Isilda Sanches, uma vez que vou citá-la numa entrevista que ela deu quando saiu da Oxigénio e foi para a Antena 3. Ela refere também outra questão absurda que está consagrada, não nesta alteração à lei (a entrevista é, obviamente, anterior a esta alteração), mas a algo que já existe na lei como ela existe:

"Aqui na Antena 3 também há uma política musical. O constrangimento principal tem a ver com a música portuguesa, por causa da aplicação da lei da música portuguesa e da fiscalização. Como a Oxigénio tinha o estatuto de rádio temática, estava posicionada num estilo que alegámos que não tinha produção musical suficiente para cumprir a quota, e foi-nos dado o direito de não a cumprir. Mas passávamos muita música portuguesa que não estava editada ou que era instrumental. A lei da música portuguesa diz que não chega a música ser feita por músicos portugueses, tem de ser cantada em português, e isso é um constrangimento muito grande no mundo actual. Não só porque o inglês está generalizado, mas também porque põe de lado a música instrumental, o que é um absurdo. Os Dead Combo são instrumentais, o Rodrigo Leão, até há pouco tempo, também era instrumental. Esse tipo de constrangimento, aqui, é maior e é fiscalizado. A Antena 3 pertence a um grupo que está ligado ao Estado, portanto há uma fiscalização contínua. Essa é a parte mais complicada. Para se cumprir a lei como ela supostamente está enunciada é muito difícil. Nem sequer a produção de música portuguesa permite isso. Ou seja, se calhar permite, mas não com a música nova que está a sair. Permite com alguns géneros antigos, com determinados estilos, mas no grosso, no indie rock, na pop electrónica, no hip-hop… Se bem que no hip-hop fala-se em português mas, por exemplo, um produtor de hip-hop que só faça beats, como o Beats Vol. 1: Amor, do Sam the Kid, não seria considerado para a quota. Essas coisas fazem-me confusão.

(...) "as rádios hoje em dia têm um software que permite fazer essas contas, mas digamos que isso às vezes coage um pouco a playlist. Acaba por obrigar a mais repetições, para garantir que passam as músicas que têm de passar. Para mim é incompreensível como é que se pode achar que instrumentais ou cantar em inglês não conta na quota de música portuguesa. Não percebo como é que isso é possível num mundo global. Se as pessoas que estão a tocar nasceram em Portugal, ou vivem em Portugal — porque também temos esse caso, há muita gente que, não tendo nascido em Portugal, está cá a viver —, é música portuguesa ou não é? Daqui a pouco é preciso mostrar o cartão de cidadão… Isso faz-me confusão e estou convencida de que deve ser da interpretação."

E mais:

Quando refere que

" a lei da música portuguesa diz que não chega a música ser feita por músicos portugueses, tem de ser cantada em português, e isso é um constrangimento muito grande no mundo actual. Não só porque o inglês está generalizado, mas também porque põe de lado a música instrumental, o que é um absurdo. Os Dead Combo são instrumentais, o Rodrigo Leão, até há pouco tempo, também era instrumental.",

eu não encontro isso na própria lei:

cita-se Lei da Rádio
Lei n.º 54/2010, Artigo 41:

Difusão de música portuguesa

1 - A programação musical dos serviços de programas radiofónicos é obrigatoriamente preenchida, em quota mínima variável de 25 % a 40 %, com música portuguesa.
2 - Para os efeitos do presente artigo, consideram-se música portuguesa as composições musicais:
a) Que veiculem a língua portuguesa ou reflictam o património cultural português, inspirando-se, nomeadamente, nas suas tradições, ambientes ou sonoridades características, seja qual for a nacionalidade dos seus autores ou intérpretes; ou
b) Que, não veiculando a língua portuguesa por razões associadas à natureza dos géneros musicais praticados, representem uma contribuição para a cultura portuguesa.



Se assim é, e admito que seja, pois citou a Lei da Rádio, então a afirmação da Isilda Sanches não é verdadeira. Em todo o caso, nunca ouvi música instrumental passada em qualquer rádio portuguesa, excepto na Antena 2.

Música sem Filme, na própria Antena 3;
Em Transe, rádio SBSR;
Linhas Cruzadas, quando emitia e ia a essa praia (alguns programas), em 27 rádios locais;
Swing, na Rádio Nova depois das 00h, com alguns temas assim postos;
Íntima Fração, Francisco Amaral, quando emitia;
Lights FM (na Amadora), quando emitia... XFM...



Não podia também escrever umas frases em vez de pôr só uma "lista de supermercado"? Eu não disse que a música instrumental não era passada na rádio, disse que nunca a ouvi na nossa rádio. É muito diferente. Mas ainda bem, ainda bem que tem havido lugar para ela no nosso espectro radiofónico.
A Rádio Nova só descobri há três anos. Ouço-a só online, não há outra forma.
Infelizmente nunca ouvi a XFM. Tenho 34 anos e não sou de Lisboa. Porque é que as pessoas assumem logo à partida que toda a gente com quem teclam é de Lisboa e Vale do Tejo? Quando a XFM emitia, eu estava no 5º ano. Mesmo que tivesse conhecido a X na altura, nem a emissão online poderia ter ouvido (a XFM tinha emissão online? a internet em 96 estava muito incipiente entre nós), uma vez que só tive internet em casa a partir de 2001. Imensa pena tenho eu de nunca ter ouvido esse paraíso que foi a XFM... musicalmente encaixava-se perfeitamente no meu gosto musical actual (embora não em 96/97, de todo).
« Última modificação: Maio 04, 2021, 01:50:20 am por Hélder Fialho »

Hélder Fialho

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 41
Re: Quota de música portuguesa na rádio
« Responder #31 em: Maio 04, 2021, 01:57:20 am »

Nao percebo a indignação.

Se querem estar legais, tem que cumprir a lei!


Ainda lhe digo mais. Aliás, não sou eu que vou dizer. É a Isilda Sanches, uma vez que vou citá-la numa entrevista que ela deu quando saiu da Oxigénio e foi para a Antena 3. Ela refere também outra questão absurda que está consagrada, não nesta alteração à lei (a entrevista é, obviamente, anterior a esta alteração), mas a algo que já existe na lei como ela existe:

"Aqui na Antena 3 também há uma política musical. O constrangimento principal tem a ver com a música portuguesa, por causa da aplicação da lei da música portuguesa e da fiscalização. Como a Oxigénio tinha o estatuto de rádio temática, estava posicionada num estilo que alegámos que não tinha produção musical suficiente para cumprir a quota, e foi-nos dado o direito de não a cumprir. Mas passávamos muita música portuguesa que não estava editada ou que era instrumental. A lei da música portuguesa diz que não chega a música ser feita por músicos portugueses, tem de ser cantada em português, e isso é um constrangimento muito grande no mundo actual. Não só porque o inglês está generalizado, mas também porque põe de lado a música instrumental, o que é um absurdo. Os Dead Combo são instrumentais, o Rodrigo Leão, até há pouco tempo, também era instrumental. Esse tipo de constrangimento, aqui, é maior e é fiscalizado. A Antena 3 pertence a um grupo que está ligado ao Estado, portanto há uma fiscalização contínua. Essa é a parte mais complicada. Para se cumprir a lei como ela supostamente está enunciada é muito difícil. Nem sequer a produção de música portuguesa permite isso. Ou seja, se calhar permite, mas não com a música nova que está a sair. Permite com alguns géneros antigos, com determinados estilos, mas no grosso, no indie rock, na pop electrónica, no hip-hop… Se bem que no hip-hop fala-se em português mas, por exemplo, um produtor de hip-hop que só faça beats, como o Beats Vol. 1: Amor, do Sam the Kid, não seria considerado para a quota. Essas coisas fazem-me confusão.

(...) "as rádios hoje em dia têm um software que permite fazer essas contas, mas digamos que isso às vezes coage um pouco a playlist. Acaba por obrigar a mais repetições, para garantir que passam as músicas que têm de passar. Para mim é incompreensível como é que se pode achar que instrumentais ou cantar em inglês não conta na quota de música portuguesa. Não percebo como é que isso é possível num mundo global. Se as pessoas que estão a tocar nasceram em Portugal, ou vivem em Portugal — porque também temos esse caso, há muita gente que, não tendo nascido em Portugal, está cá a viver —, é música portuguesa ou não é? Daqui a pouco é preciso mostrar o cartão de cidadão… Isso faz-me confusão e estou convencida de que deve ser da interpretação."

E mais:

Quando refere que

" a lei da música portuguesa diz que não chega a música ser feita por músicos portugueses, tem de ser cantada em português, e isso é um constrangimento muito grande no mundo actual. Não só porque o inglês está generalizado, mas também porque põe de lado a música instrumental, o que é um absurdo. Os Dead Combo são instrumentais, o Rodrigo Leão, até há pouco tempo, também era instrumental.",

eu não encontro isso na própria lei:

cita-se Lei da Rádio
Lei n.º 54/2010, Artigo 41:

Difusão de música portuguesa

1 - A programação musical dos serviços de programas radiofónicos é obrigatoriamente preenchida, em quota mínima variável de 25 % a 40 %, com música portuguesa.
2 - Para os efeitos do presente artigo, consideram-se música portuguesa as composições musicais:
a) Que veiculem a língua portuguesa ou reflictam o património cultural português, inspirando-se, nomeadamente, nas suas tradições, ambientes ou sonoridades características, seja qual for a nacionalidade dos seus autores ou intérpretes; ou
b) Que, não veiculando a língua portuguesa por razões associadas à natureza dos géneros musicais praticados, representem uma contribuição para a cultura portuguesa.



Se assim é, e admito que seja, pois citou a Lei da Rádio, então a afirmação da Isilda Sanches não é verdadeira. Em todo o caso, nunca ouvi música instrumental passada em qualquer rádio portuguesa, excepto na Antena 2.

Música sem Filme, na própria Antena 3;
Em Transe, rádio SBSR;
Linhas Cruzadas, quando emitia e ia a essa praia (alguns programas), em 27 rádios locais;
Swing, na Rádio Nova depois das 00h, com alguns temas assim postos;
Íntima Fração, Francisco Amaral, quando emitia;
Lights FM (na Amadora), quando emitia... XFM...



Não podia também escrever umas frases em vez de pôr só uma "lista de supermercado"? Eu não disse que a música instrumental não era passada na rádio, disse que nunca a ouvi na nossa rádio. É muito diferente. Mas ainda bem, ainda bem que tem havido lugar para ela no nosso espectro radiofónico.
A Rádio Nova só descobri há três anos. Ouço-a só online, não há outra forma.
Infelizmente nunca ouvi a XFM. Tenho 34 anos e não sou de Lisboa. Porque é que as pessoas assumem logo à partida que toda a gente com quem teclam é de Lisboa e Vale do Tejo? Quando a XFM emitia, eu estava no 5º ano. Mesmo que tivesse conhecido a X na altura, nem a emissão online poderia ter ouvido (a XFM tinha emissão online? a internet em 96 estava muito incipiente entre nós), uma vez que só tive internet em casa a partir de 2001. Imensa pena tenho eu de nunca ter ouvido esse paraíso que foi a XFM... mas com a minha idade actual na altura, claro. Musicalmente encaixava-se perfeitamente em boa parte do meu gosto musical actual.

Memorias da Radio

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 3075
Re: Quota de música portuguesa na rádio
« Responder #32 em: Maio 04, 2021, 02:45:38 am »
Já habitualmente escrevo bastante, desta vez resolvi ser mais objetivo. :)

Quanto à XFM, também emitiu em 105.8 Valongo, a servir o Grande Porto e o Vale do Sousa. Daí não se pode ler que em algum momento tenha assumido que escrevia dessa região, até porque o habitual é assumir que *não* se escreve de lá.

Sobre o tópico: é interessante que, depois da entrada em vigor dos 30% de quota, nunca mais se viu ninguém (ou pelo menos não vi) a queixar dessa quota... nem se notaram diferenças significativas nas playlists, com exceção da Comercial.